Posted by : Aggie♥Anni Saturday, 23 April 2011


Hello again, I got an interview with Agnetha in 2004, sorry the interview is in Portuguese. If you want to use the translator or if I want to translate, just ask.



  No dia 18 de dezembro de 2004, Agnetha apareceu no Canal 4 em um programa chamado Nyhetsmorgon, e deu uma entrevista a Lasse Bengtsson. A entrevista foi feita na semana anterior em um dos domicílios de sua propriedade, e há uma breve apresentação de Agnetha, Lasse e seu cão a andar na estrada.


  Lasse Bengtsson: ABBA é incomparavelmente um dos maiores grupos musicais do mundo, eles venderam muitos discos, quase 400 milhões. Eles explodiram há 30 anos, em Brighton com "Waterloo". O interesse pelo ABBA é enorme, e não menos por Agnetha Fältskog, que é a mais solitária das estrelas. Tenho falado com ela ao longo desses 4 anos e outro dia tive uma conversa com ela, mais uma conversa.
Por favor, notem que ela não viu as perguntas com antecedência e não viu a edição até agora.



  Toca trecho de "Om Tårar Vore Guld"...


LB (Lasse Bengtsson): Bem, Agnetha, como eu estava dirigindo outro dia e ouvi esta música e outras antigas canções suas vou começar por esta. Olá!

AF (Agnetha Fältskog): Olá Lasse!


LB: Então pensei: como você escreveu boas canções.

AF: Sim, escrevi.


LB: Onde é que elas estão hoje em dia?
AF: Em algum lugar aqui dentro de mim e ao meu redor. (Diz apontanto para sua cabeça).



LB: Mas você não escreve mais nada agora?
AF: Não, eu não componho muito atualmente.


LB: Por que não?

AF: É como se tudo isso estivesse fora de mim durante todo esse tempo. Eu era muito produtiva, com as minhas próprias músicas e letras, por isso havia muita inspiração naquela época.


LB: Mas elas são todas tão tristes. Porque elas são assim?

AF: Bem, eu não sei. Mais tarde, alguém escreveu as letras. Tornei-me demasiado crítica quanto a elas.



LB: Ah, foi mesmo?
AF: Sim, sempre fui muito crítica.


LB: Tem sido sempre crítica de si mesma?

AF: Sim, tenho. Muito. Principalmente quando se trata das minhas letras. Há muitas que eu não gosto muito, penso que são muito ingênuas.


LB: Mas você lançou na primavera passada o seu primeiro álbum em muito tempo.
AF: Sim.



Trecho do vídeo "If I Thought You'd Ever Change Your Mind"

LB: O que você pensa quando ouve isto agora?
AF: Isto é bom.



LB: Qual o motivo de você voltar com um álbum?
AF: Bem, foi um longo processo, que durou dois, três, quatro anos em que a idéia ficou comigo até que comecei a gravar. Eu senti que não havia feito tudo ainda, que eu tinha de fazer mais algumas músicas e gravar outro álbum. Estava muito empolgada com estas canções dos anos 60 e foi muito divertido, foi uma viagem nostálgica para mim. E eram canções antigas que eu tinha esquecido e que voltaram para mim. Estas canções me marcaram muito, foi como revivê-las novamente. E é claro que você se lembra de coisas que ocorreram nesse período de sua vida.



LB: O que fez com que estas canções marcassem você?
AF: Essas músicas apareceram quando eu estava na adolescência e este é um período sensível, quando você está muito aberto às impressões do que está acontecendo.


LB: Você era?

AF: Sim, e ainda sou hoje. É provavelmente por isto que me sinto um pouco ansiosa ao fazer uma entrevista como essa. Não está no topo da minha lista de desejos. (sorrisos)



LB: Sim, eu percebi isso.
AF: Sim, exatamente.


LB: Mas você ainda vai fazê-la?

AF: Sim, eu farei. Provavelmente porque eu não quero parecer estranha quando tenho algo novo para apresentar, então eu também quero falar sobre isso. Se você chegar perto demais da minha vida privada é que começará a ficar desconfortável para mim.


LB: Mas o que fez com que fosse quebrado esse isolamento, você poderia dizer, você tinha parado e, em seguida, voltou para a ribalta novamente. Como você acha que foi isso?
AF: Eu estava um pouco preocupada com isso, uma vez que tinha sido tantos anos que eu não sabia se a minha voz ainda estaria lá, e era difícil com a minha voz no começo e é fácil criar um temor do microfone, porque você está tão perto dele quando você canta e todo ruído e cada respiração pode ser ouvida. Então, há uma determinada técnica e um certo obstáculo a superar.


LB: Você também sente que exigiu muito de si.
AF: Sim.


LB: Mas em algum lugar foi exigido que você tinha que aparecer em público em relação ao álbum.
AF: Não, nunca houve nenhuma exigência. Uma vez que deixei muito claro ao dizer que eu posso fazer isto e isto, e eu quero fazer isto e aquilo, mas não posso viajar e aparecer na TV e trabalhar da mesma forma que fiz no passado. Isto seria muito difícil para mim. Então eu acho que todo mundo entendeu isto.


LB: Então é por isso que você escolheu não dar várias entrevistas públicas e realizar uma conferência de imprensa, e assim por diante?

AF: Sim. Porque exigiria demais e não consigo lidar com isto atualmente.



LB: Em relação a isso, o que deixa você desgastada?

AF: Bem, eu não sei. Existem várias situações que me deixam nervosa. É a ansiedade e eu também pretendo apresentar uma boa imagem de mim mesma e assim por diante. E então eles não trabalham sempre desse jeito. A imprensa tem uma imagem sobre mim que às vezes não condiz com a realidade. E então eu penso "Deus, agora eu tenho que tentar corrigir isso e mostrar como eu realmente sou", e isso causa muita tensão.


LB: Você acha que você é tratada de uma maneira ruim pela imprensa?
AF: Sim, eu penso assim, de vez em quando. E muitas vezes eles estão errados e exageram a meu respeito.


LB: Você tem um exemplo?
AF: Bem, o que posso dizer. Eu já passei por isso tantas vezes.


LB: Qual foi o pior delas?
AF: Eu realmente não sei qual é a pior. Mas uma delas foi quando estávamos voltando para casa da Inglaterra e eu estava viajando em um ônibus porque eu não quis voar e lá estávamos alguns de nós. Então nós sofremos um acidente com o ônibus, ele capotou e eu voei para fora através de uma janela e isto foi muito noticiado nos jornais. E em seguida disseram que eu estava fazendo um filme com Gunnar Hellström, “Raskenstam", e que eu estava grávida e, em seguida, eles entrevistaram alguns médicos e escreveram "Pode um feto estar apenas ferido em um acidente como este?". Mas no filme eu interpretava uma mulher grávida e isto foi transformado em realidade, as pessoas foram muito tolas em acreditar que eu estava grávida na vida real. E é incorreto histórias como esta que fazem as pessoas acreditarem em algo que não acontece na realidade. Escreveram sobre mim, por exemplo, que eu me isolei em Ekerö, mas eu não fiz isto. Em vez disso, criaram essa imagem de mim porque não apareço muito. Mas essa não é a minha realidade.


LB: Mas já que você acha que é mal interpretada, como se descreveria?
AF: (sorrisos) Bem, é muito difícil para eu dizer, mas acho que sou a mesma pessoa de sempre, comum. Claro que eu também tenho meus defeitos, mas sou uma pessoa muito simpática. Comum, normal. Curiosa sobre a vida e não gosto de stress. Eu tento que manter tudo muito quieto em torno de mim, tanto quanto eu puder. Não é tão fácil, hoje em dia. Eu me estresso facilmente e sou também uma pessoa muito ansiosa.


LB: O que tem preocupado você?
AF: Tudo. (sorrisos) Não, não tudo, mas fico facilmente ansiosa em diversas situações. Tenho medo de que algo possa acontecer a alguém próximo. Sou uma grande amante dos animais. É difícil para mim olhar fotos de crianças e animais sendo maltratados, não posso lidar com isso emocionalmente.


LB: Bem, Vilma disse que você é uma verdadeira amante dos animais.(Vilma é o cão de Lasse que aparece no início, ela está deitada no chão ao lado deles).
AF: Sim, ela é tão fofa que está ali deitada no chão.


LB: Ela gosta de você. Mas sobre essa história de Garbo, como surgiu?

AF: Não, isto não foi algo que eu tenho dito, mais uma vez é algo que a imprensa tem criado e o motivo eu não sei. Mas é provavelmente um castigo porque eu não apareci o suficiente. E então eu costumo dizer que sou mais original do que uma imitação ruim.


LB: Gostaria de saber o que acontece quando você aceita dar uma entrevista, porque como eu entendi, isto não é completamente difícil para você.
AF: Não.


LB: Diga-me o que acontece.

AF: Bem, eu tentei ser bastante coerente ao receber vários pedidos, provenientes não só da Suécia, mas de outros países também. E eu acho que é ainda mais desconfortável dar uma entrevista em Inglês e não ter um bom domínio da língua. Mas isso é culpa minha.


LB: Você sente que o Inglês é um problema?

AF: Sim, ele realmente é. Minha língua realmente fica presa. Então, eu desisto. E é o que aconteceria se eu aceitasse fazer uma entrevista durante os últimos 9-10 anos que se passaram como eles queriam.


LB: Como é um dia normal na sua vida?

AF: Bem, nestes dias tem sido bastante calmo. Gosto de estar ao ar livre, ir para vários passeios e tento passar muito tempo com meus filhos, eu também agora tenho uma neta e é uma experiência incrível.


LB: Recentemente?

AF: Ela vai em breve completar 4 anos. Portanto, é uma alegria incrível, de verdade. Eu também leio um pouco e vejo TV.


LB: O que você tem lido?
AF: Eu não tenho lido tantos livros como costumava, mas leio jornais e eu gosto de ver noticiários e programas em que você aprende alguma coisa.


LB: Você vê filmes e que tipo de música você escuta?
AF: Eu não vejo TV muito, mas de vez em quando eu gosto de ver filmes, há aqui uma pequena mosca. (sorrisos) Ela quer estar aqui o tempo todo. É muito, muito raro eu ir ao cinema. Já faz muito tempo desde a última vez, na verdade.


LB: Você já viu um filme e lembra que você gostou?
AF: Não, mas há muitos que eu gostaria de ver, eu estou um pouco por fora.

LB: Por exemplo?

AF: Por exemplo, "Moulin Rouge", com Nicole Kidman, eu gostaria de ver este, e ainda não vi.


LB: Mas o que acontece, você nunca vai a Estocolmo, você pode passear livremente, anda por aí, entre outras pessoas?

AF: Ah sim, eu faço. Com certeza. Mas é claro que eu tenho que estar atenta às vezes.



LB: O que acontece quando você aparece em público?
AF: Realmente não muita coisa. Noto que as pessoas reagem e me reconhecem, mas, muitas vezes isto é muito tranqüilo. Às vezes alguém me aborda se eu estiver em um restaurante para pedir um autógrafo. Mas não há problemas. Não há nenhuma comoção.


LB: Mas você acha que é desconfortável estar entre o público em uma cidade grande, por exemplo?
AF: Não, não muito. Não é nada que me incomode, mas pode ser divertido ir às compras e às vezes satisfazer algumas pessoas. E eu também faria isso. Mas como eu disse anteriormente, penso que é bom quando tudo está quieto e acho que há muito barulho (na cidade).


LB: Você é sensível a sons?

AF: Sim, eu sou muito sensível. Especialmente se houver uma grande quantidade de ruído, ao mesmo tempo. Então fico extremamente estressada.


LB: De onde veio isto? Foi sempre assim?
AF: Não, isso é algo que vem aumentando com o tempo. Eu posso ouvir música em volume muito alto, mas eu não posso lidar com uma grande mistura de sons em conjunto. Sou muito sensível em relação a isso.


LB: O que é que os animais significam para você?
AF: Os animais? Eles representam muita coisa. Eles significam serenidade e harmonia e é bom estar com eles.


LB: Você está agora exposta a estranhos? Nós lemos nos jornais que isto tem acontecido com você.

AF: Bem, este é também um aspecto desagradável desta profissão e da fama, que você tem que agüentar muito, não só eu, sei que posso compartilhar esse problema com muitas categorias diferentes de trabalho. Então eu recebo muitas cartas e coisas estranhas de pessoas que são um pouco desagradáveis.





LB: Do mundo todo?

AF: Sim. E você não pode levar para o lado pessoal. Nem todas as cartas que recebo são bonitas. Mas é importante não levar para o lado pessoal, mas entender que esta pessoa não está bem.


LB: O homem que perseguia você, ainda tem problemas com ele?

AF: Eu não sei se posso falar muito sobre ele, acho que não vou. Eu não posso devido a razões de segurança. Então eu quero deixar pra lá.



LB: Isto é algo que incomoda você?

AF: Sim, é. Mas é assim, se você passa muito por isso, então você começa a ficar endurecido em diversas situações. Isto faz com que nos sintamos às vezes incomodados com tudo o que vem através da fama.


LB: Seus filhos foram afetados com isso?

AF: Não, acho que as coisas têm corrido bem. Mas, claro, eles foram pequenos um dia e foi um pouco áspera aquela época, para todos nós, desde que nos tornamos uma família divorciada. Eram muito pequenos, com 5 e 1 ano de idade. Mas isso foi há muito tempo.


LB: Mas quando você olha para trás, em retrospecto, você acha que deveria ter feito as coisas de outra maneira? Que você deveria ter feito o máximo? Você entende o que digo? Para não haver toda essa histeria em torno de Agnetha Fältskog depois de tudo. Isso é uma coisa que acontece porque você não aparece com muita freqüência.
AF: Bem, pelo menos não é algo que eu tenha criado propositadamente ou calculado, que eu tenha me tornado uma pessoa misteriosa, pelo contrário, esta é uma imagem que foi criada devido a, como você diz, eu não aparecer muito. Mas é porque na verdade não gosto desta coisa de sentar e conversar. Mas com a idade a gente passa a revelar mais sobre si mesmo.



LB: O que você quer dizer com isso?

AF: Bem, você pode ser capaz de falar de coisas que não podia falar antes. Porque a sensação é como se você pudesse ser capaz de compartilhar suas experiências de vida. Isso talvez possa comprovar que realmente não sou tão misteriosa ou estranha, mas sou uma pessoa completamente normal.



LB: Será que podemos interpretar isto como uma espécie de retorno de Agnetha ao grande público?

AF: Não, as coisas não são bem assim. (sorrisos)


LB: Como você explica o fenômeno ABBA hoje? O que você acha desse fenômeno?
AF: Incrivelmente isto significou muito para todos nós, obviamente. E também sinto uma enorme gratidão por ter sido uma parte disso. E lá estávamos nós trabalhando muito durante um período de 10-12 anos que passaram muito rápido, acho que se eu pudesse ter abrandado um pouco mais eu continuaria por mais uns 5 anos, eu preferia ter feito as coisas dessa forma.


LB: Levar as coisas em um ritmo mais lento para durar um pouco mais?
AF: Sim, exatamente.


LB: Tudo isso foi muito intenso?
AF: Sim, acho que foi muito intenso.


LB: Algumas vezes falaram que existia uma rixa você e Frida. Isto é verdade?
AF: Não, mais uma vez é algo inventado pela imprensa. A maior parte do tempo éramos de acordo, mas tendo diferentes personalidades, naturalmente aconteceram alguns desentendimentos. E nós éramos diferentes. Também tivemos diferentes vidas porque eu e Björn havíamos nos separado recentemente e continuamos alguns anos com o ABBA depois. E ainda tínhamos nossos filhos com 5 e 1 ano de idade, por isso o tempo todo eu tinha um peso na consciência quanto a eles. E foi muito duro ainda ter que fazer o que fizemos. Mas, não fomos muito longe nessa época. Nós ficávamos em casa por longos períodos para gastar o tempo com as crianças, o que realmente criou um situação contrastante - ao irmos a um hotel de luxo com suas suítes e a fabulosa vida de turista tínhamos que voltar para casa e banhar as crianças.



LB: Houve um momento particular, Agnetha, com o ABBA que você sentiu como "isto foi muito divertido"?
AF: Sim, eu digo que provavelmente foi quando vencemos com "Waterloo". Foi realmente incrível.


Cenas de "Waterloo" e fotos



LB: Mas você não ficaria na ponta dos pés hoje?
AF: Não, eu não.



LB: Essa foi uma resposta definitiva.
AF: Sim (sorrisos). Não, não sei. Mas é realmente agradável olhar para trás às vezes e eu não posso compreender isso. Parece uma outra vida, uma parte da minha vida vivida de uma forma diferente, e realmente é.


LB: Você poderia explicar, qual foi o motivo do rompimento do ABBA?
AF: Foi porque não acho que foi mais tão divertido. Eu sei que iríamos gravar um álbum em seguida. E não nos sentíamos como no passado, em vez disso, foi bastante duro. Estávamos divorciados, dois casais jovens, de modo que não foi a mesma coisa, mas continuamos mesmo após nossos divórcios.


LB: Mas não foi tão bom após os divórcios você quer dizer?
AF: Não, não foi.

LB: Qual é a melhor canção que o ABBA fez?
AF: A melhor canção? Acho que "The Winner Takes It All".


LB: Porquê?
AF: (sorrisos) É tão completa, tem um bom fluxo, do começo ao fim. Então eu acho que a música é muito boa. Acho que a letra é excelente.


LB: Tem uma mensagem bastante dura.
AF: Sim, é verdade. Mas eu gosto de cantar sobre isso.


LB: Você gosta?
AF: Sim, eu gosto de interpretar letras como essa.


LB: Mas, como eu entendi, você acha que o ABBA foi melhor no estúdio de gravação do que no palco.
AF: Sim, isso mesmo. Mas isso é mais uma vez a auto-crítica. Eu não gosto de nos ver no palco - Eu acho que é muito mais divertido ouvir-nos do que nos ver.



LB: Você mantêm contato com os outros hoje?AF: Sim, tenho, um pouco. Mas não nos vemos muito.


LB: Björn?
AF: Sim, claro, pois ele é o pai dos meus filhos.


LB: Com que freqüência vocês se vêem?
AF: Nós do grupo você quer dizer?


LB: Não, Björn.
AF: Bem, eu não sei, eu realmente não gostaria de falar sobre isso. (sorrisos) Mas acontece de vez em quando, já que temos uma neta.



LB: O dinheiro - Você ainda ganha dinheiro com ABBA?
AF: Sim, ganho.


LB: Muito dinheiro?
AF: Sim, para mim o suficiente para viver. (sorrisos) Mas eu ganho. É claro.


LB: Mesmo com Björn e Benny, que ganham mais dinheiro por serem os compositores, existe uma renda estável para você duas?
AF: Sim. E também fizemos outras coisas. Frida também fez singles, o que estou dizendo, álbuns solo, assim como eu, então dá pra ganhar dinheiro com isso também.


LB: O que o dinheiro significa para você?
AF: Essa é uma questão delicada. Portanto, é quase como dizer que eu não quero falar sobre dinheiro, não quero falar sobre política e eu não quero falar sobre religião. Então é isso. (sorrisos)


LB: Por que delicada?
AF: Você tem que dar uma boa resposta para que as pessoas acreditem naquilo que diz. Porque uma coisa é estar na posição em que você tem dinheiro e outra é estar na posição em que você não tem. Então você tem de posicionar-se bem sobre o dinheiro, entende o que estou tentando dizer?





LB: Você está começando a abordar este tema, de qualquer forma.
AF: Sim (sorrisos). Mas estou feliz que tudo tenha ido tão bem. E, depois, se eu fosse dizer que o dinheiro não importa, então todo mundo iria perceber que eu estaria mentindo, porque é claro que ele é importante. Eu prefiro viver uma vida onde eu possa comprar as coisas que eu quero em vez de ser uma má pessoa. Mas você pode ser rico ou pobre de várias formas. Não quer dizer necessariamente que quando se tem dinheiro se tem tudo o que quer. Mas você pode ser rico, porque você tem uma vida rica (várias experiências). E eu sou provavelmente uma pessoa assim. Acho que sou a mesma pessoa hoje comparada a quando era jovem. E eu cresci em boas condições com minha mãe e meu pai, porém não tive o meu próprio quarto quando era jovem. Então eu sei o que se sente ao crescer não sendo pobre, mas ao mesmo tempo não ter o que a gente quer.



LB: O que dizer do futuro? O que pode acontecer com Agnetha Fältskog no futuro?
AF: Bom, quem sabe? Não sei. Às vezes penso que este foi provavelmente o último álbum que fiz. Mas então, eu sei como eu sou e pode ser que surja uma nova idéia. E sei que há muitos que acham que seria muito bom se eu escrevesse a minha própria música novamente.


LB: Sim, acho que sim. Você não pode fazer isso agora?
AF: (sorrisos) Não, eu não posso prometer nada. Eu não vou mais fazer promessas.


LB: O livro "Som Jag Är" saiu em 96. A autora deste livro disse há pouco tempo que ela estava pensando em publicar o material de suas conversas e reuniões que não foram publicadas antes. O que você acha disso?
AF: Isto seria terrível se ela o fizesse, mas neste momento eu não sei o que está acontecendo. Mas seria um crime terrível se ela publicasse, porque quando você trabalha em um livro em conjunto, nós falamos as coisas de forma confidencial. E também nós duas realmente trabalhamos neste livro, depois de conversas sobre diversos temas. E então eu quis tomar parte na edição, por isso apaguei trecho que eu acho que não deveriam ser publicados. E é provavelmente o que ela quer publicar agora.



LB: Você está tendo algum contato com ela agora?
AF: Não, e eu não quero tanto. Meus conselheiros vão fazer isso. Infelizmente. É assim que deve ser feito.


LB: Você é uma pessoa feliz hoje?
AF: Não é uma pergunta fácil. (sorrisos)



LB: Todas elas não devem ser fáceis.
AF: Sim, estou feliz com várias coisas. É assim que eu possa me expressar. Basta?


LB: Agora você lendo alguma coisa antes do ano novo, algo que você escolheu. Diga-me por que você escolheu este.
AF: Bem, eu encontrei um pequeno livro, por isso pensei em ler algo já que não vou cantar nada.


LB: Infelizmente.
AF: Vou ler alguma coisa em seguida, encontrei um poema de Dan Andersson chamado "Nyár" ( "Novo Ano"). Vamos lá.



"Du nyår som susar med vingar av glänsande snö
Som blandar med stigande soljus den bittraste vind
Och tänder med flammande rosor på jungfrulig kind
Och kramar än hårdare bröstet på den som ska dö Jag
hälsar dig nyår med vingar av glänsande snö
O giv att all världen till slut måtte bliva som då När Herren
ej ännu befallt någon gräns mellan vatten och land
När ännu ej djurögat stirrat mot rymderna blå
Och ännu en svagling ej rivits av tass eller hand
Och kärleken ännu ej kommit att locka och slå O giv att
all världen till slut måtte bliva som då"



LB: Como você vai passar o Natal?
AF: Eu estou indo relaxar. Passar meu tempo com minha família e pessoas queridas pra mim e provavelmente comer algum prato de Natal.


LB: Feliz Natal Agnetha, e obrigado por ter aceito este convite.
AF: O mesmo pra você. Obrigada pelo convite.



***



Eles conversam ainda em um curto passeio fora da casa. Após toda a entrevista Lasse Bengtsson diz: Talvez alguns de vocês estão se perguntando por que eu não fiz a intrigante pergunta: se ela tem um novo homem na sua vida - e a resposta é que me esqueci. Mas quando eu perguntei a ela depois, ela respondeu: "Eu vivo a minha vida como uma pessoa simples, mas tenho muitos amigos e conhecidos, e alguns deles são homens."


LB: O que você acha que foi mais difícil?
AF: As viagens.


LB: Por isso você está com medo de voar.
AF: Sim.


LB: Ainda?
AF: Sim, ainda estou com muito medo de voar. Isso é algo que você deve ter lido muito na imprensa, de que estou com medo de voar. E eu tenho este medo inerente, que te falei anteriormente, de que irá acontecer uma catástrofe ou algo parecido. Isso é o que eu sinto. Não é que eu não tenha a capacidade de compreender que é seguro voar, mas é a insegurança dentro de mim quando eu sento ali, que não posso fazer nada. E talvez seja porque sou uma pessoa um pouco controladora.


LB: Você quer estar no controle das coisas?
AF: Sim, e é difícil deixar de ser assim. Mas acho que estou de alguma forma tentando tornar-me um pouco diferente. Talvez eu pilote um belo dia, você nunca sabe.


LB: Quando você voou pela última vez?
AF: Provavelmente foi há uns 15 anos atrás, eu acho.


LB: Está falando sério?
AF: Sim. Talvez 10.


LB: Então você nunca viaja ao estrangeiro?
AF: Não. Mas você também pode viajar de carro.


LB: Mas qual foi a coisa mais divertida sobre o ABBA? Qual é a sua maior lembrança? Porque não foi apenas muito trabalho, houve alegria também.
AF: Havia muita alegria. Todos compartilhavam da tensão pesada antes de ir para o palco, e havia muito nervosismo. A sensação de compartilhar era boa para os quatro, o que ajudava a suportar essa carga. E se uma de nós se sentia um pouco mal era empurrada pela outra para fazer mais no palco. Frida e eu fizemos muita coisa juntas e uma ajudava a outra, embora ao mesmo tempo fôssemos concorrentes no palco.


LB: Você tem uma relação especial com os animais? Pode falar com eles?
AF: Sim, de alguma forma penso que posso. Você pode entender um pouco isso porque tenho vários cavalos na minha propriedade.


LB: Pode ouvir o que eles dizem?
AF: (sorrisos) Bem, seria demais. Eu provavelmente não posso dizer que eu posso falar com os cavalos porque posso ter problemas depois.


LB: Mas pode quase falar com eles?
AF: Praticamente sim. E se eu estou com certo estado de espírito, pode ser bom eu ir falar com eles.


LB: Eu pergunto, fazer amigos para Agnetha Fältskog e criar novos contatos, ou seja, novos amigos, isto é difícil?
AF: Difícil? Essa é uma pergunta complicada. Pode ser. Você nunca sabe realmente o que as pessoas pensam sobre você e talvez eles tenham noções preconcebidas sobre a sua pessoa. Eu realmente não tenho uma grande necessidade de ter um grande, grande grupo de amigos, em vez disso acho que de alguma forma me tornei solitária. Eu atualmente me comparo ao touro Ferdinando algumas vezes, que se senta no carvalho. Por isso me acho um pouco parecida com ele.


LB: O que você gostava quando era adolescente?
AF: Bom, eu acho que eu era como a maioria dos adolescentes. Houve rapazes, sonhos e eu trabalhava muito. Eu comecei a cantar com uma orquestra de baile e que viajava para tocar música e dançar, comecei a fazer isso quando eu tinha 15 anos.




Toca trecho de "Utan Dej"



LB: Você se lembra desse tempo, que sonhos e pensamentos tinha sobre a música que você fazia então? Quais foram os seus objetivos com a sua música naqueles dias?
AF: Naquela época eu só queria realizar aquilo provavelmente porque eu senti que tinha uma voz e que era divertido ver que as pessoas gostavam de dançar a nossa música. Mas a minha ambição era mais tarde gravar algo, para tornar-me uma cantora, esse era o meu sonho.


LB: Por que você quis isto?
AF: Bem, foi provavelmente em conexão com a sensação que eu tinha uma voz, e eu sabia como compor e escrever músicas e algumas letras às vezes, então eu senti que esse era provavelmente o meu trabalho.


LB: Mas você não era tímida nessa época, era?
AF: Eu era muito tímida.













Fonte: ABBA Brazil

Leave a Reply

Welcome!

-If you want to translate to your language, check the right sidebar!

-Thanks for following the blog and for your comment!


Kiss.

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

- All Rights Reserved ® Polar Music International AB - ABBA Logo (Inverted B) ® Universal Music AB | Unofficial Blog | Copyright © ABBA Best - Hatsune Miku - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -